Chefe da maior milícia do Rio de Janeiro morre em confronto com a polícia

Neste sábado (12), o chefe da maior milícia em atividade do Rio de Janeiro, Wellington da Silva Braga, o Ecko foi morto em uma ação da Polícia Civil. Ecko era o criminoso mais procurado do RJ.

Ecko foi baleado por volta das 8h quando visitava a mulher e os filhos na Comunidade das Três Pontes, em Paciência, na Zona Oeste do Rio. Ele chegou sem vida ao Hospital Municipal Miguel Couto, com dois tiros na altura do coração.

A polícia tinha informações de que ele iria visitar a família e deflagrou a operação, batizada de Dia dos Namorados. Além de dominar os bairros da zona oeste, a quadrilha do miliciano também estava se expandindo para a Baixada Fluminense.

Sua quadrilha, o Bonde do Ecko, controlam o transporte clandestino, a entrega de botijões de gás, serviços de TV e internet e também cobram a chamada taxa de segurança dos moradores e comerciantes, obrigados a pagar parcelas semanais ou mensais para que não sejam ameaçados pela milícia.