Três cenários podem sinalizar possibilidade da realização do Carnaval em Salvador, segundo Leo Prates; saiba quais

Fonte: Aratu On

O titular da Secretaria Municipal de Saúde de Salvador, Leo Prates, comentou na manhã desta quarta-feira (7/7), sobre a possibilidade da realização do Carnaval, na capital baiana, em 2022. Através de um áudio divulgado pelo WhatsApp, ele disse que o evento está sendo estudado e a SMS está analisando o modelo para a Festa, diante do atual cenário de pandemia.

“Passamos a trabalhar com três cenários possíveis: O primeiro, não haver Carnaval, se o cenário epidemiologista estiver muito prejudicado. O segundo é com um cenário ótimo após a pandemia ter passado e a gente poder fazer o Carnaval. E o terceiro cenário é o Carnaval em ambientes controlados. Estamos discutindo isso com a Saltur”, explicou o secretário.

Ainda de acordo com Prates, dois experimentos científicos serão realizados para analisar a eficácia da vacinação na capital baiana. O primeiro seria a imunização e o acompanhamento de toda a população que mora nas quatro ilhas de Salvador: Ilha de Maré, Ilha Amarela, Ilha de Bom Jesus dos Passos e Ilha dos Frades. Já o segundo, seria o evento-teste que vai contar com o público de 500 pessoas, sendo todas elas vacinadas com as duas doses e testadas 48 horas antes do evento e o acompanhamento epidemiológico deste público durante 20 dias.

“Ainda vai levar tempo para a execução dos experimentos científicos para ver o resultado da vacinação. Não só como secretário da Saúde, mas como cidadão eu tenho interesse de ver o resultado”, concluiu.

A realização do carnaval em Salvador é uma possibilidade que já foi considerada pelo governador da Bahia, Rui Costa (PT). No início de maio durante sua live semanal nas redes sociais, o “Papo Correria”, o governador informou que o evento que reúne milhares de pessoas nas ruas da capital baiana, é “absolutamente viável” com o avanço da vacinação até dezembro de 2021.

“Acho absolutamente viável. Temos todas condições de vacinar toda a população brasileira até o final do ano. É ‘barbeiragem’ e incompetência, se até o final do ano não tivermos feito. Mas não só o Carnaval, mas o verão. A volta do turismo a partir de janeiro”, detalhou o chefe do Executivo Estadual.