Cuba sofre interrupção do serviço de internet após protestos contra ditadura

Fonte: Bahia.Ba

Após uma onda de protestos espalhados por todo o país no último domingo, 11, o governo de Cuba cortou a internet da população, de forma a limitar a comunicação para a divulgação e organização de novas manifestações. As interrupções na rede móvel do país, único meio de acesso à internet para grande parte dos cubanos, apresentou instabilidade ao longo de toda a segunda-feira (12).

A Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP) condenou a prisão e o ataque a jornalistas independentes, além de denunciar a interrupção do serviço de internet enquanto manifestações estavam sendo transmitidas via redes sociais. Ao mesmo tempo, a Anistia Internacional disse ter recebido relatórios de “apagões da Internet, detenções arbitrárias e uso excessivo da força”.

Também na segunda, a Organização das Nações Unidas (ONU) cobrou das autoridades do país que respeitem plenamente a liberdade de expressão e de manifestação da população.

Sobre os protestos

No último domingo (11) manifestantes em todo o país foram às ruas para protestar contra o regime do presidente Miguel Díaz-Canel, que é marcado pela ditadura e repressão a liberdade de expressão. Esse é o maior protesto da história recente no país. Uma manifestante disse que a população está “farta” da crise econômica, da fome e da pandemia de covid.

As manifestações acontecem em um momento de forte crise em Cuba, que sofre com a escassez de medicamentos e produtos básicos, além de passar pela terceira — e pior — onda da pandemia até então. Com pouco mais de 11,3 milhões de habitantes, a ilha soma 244.914 casos confirmados e 1.579 mortes pelo coronavírus, segundo balanço da Universidade Johns Hopkins.