“Tirou a vida de um anjo”: desesperada, mãe de criança executada por vizinhas em Valéria diz não entender crime; suspeitas podem estar mortas

Fonte: Aratu On

A mãe do menino Luís Fernando, morto por vizinhas no bairro de Nova Brasília de Valéria, em Salvador, falou nesta terça-feira (20/7) sobre a tragédia, ocorrida na noite de segunda (19/7). Chorando muito na porta do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Daniela Góes disse não entender o motivo para o assassinato da criança, que tinha apenas três anos.

Inicialmente, apenas uma vizinha era apontada pelo crime, mas a Polícia Civil investiga uma outra mulher, mãe da suspeita. “Ela morava lá há seis meses. O que eu quero é Justiça. Ela tirou a vida de um anjo. Meu filho era nota 10, todo mundo gostava. Não sei porque ela fez essa covardia com meu filho. Ele ia e voltava para a casa dela. Era uma vizinha normal, só achava ela meio ‘azuada’ pois ela falava ‘rapidão’. Ela não aparentava ser ‘maluca'”, desabafou.

O menino estava dentro de um saco de linhagem e apresentava marcas de pauladas e estrangulamento. Fernando chegou a ser levado para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) local, mas já chegou à unidade sem sinais vitais.

“Não sei se tem relação com magia. A mãe dela tava o tempo todo negando. O tempo todo ela deu a pancada na cabeça de meu filho. Ela fez o que fez com o meu filho. Se ele tivesse vivo eu perdoaria ela. Eu soube da pancada na UPA. O pé do meu filho estava todo roxo. Ela tratava muito bem o meu filho. Não sei o que deu nela para fazer isso com meu filho”, completou Daniela.

O pai da criança não estava em Salvador quando o caso ocorreu. “Vou no aeroporto e, depois, ‘pegar’ o corpo do meu filho no Nina Rodrigues [Instituto Médico Legal]”.

CORPOS ACHADOS

Agora, a Polícia Civil investiga se os corpos de duas mulheres que foram achados na região conhecida como Santo Antônio Rio das Pedras, em Simões Filho, são de mãe e filha. “Não sei. Estou sabendo agora. Ela era uma magrinha baixinha e a mãe era meio alta”, relatou a mãe de Luís.

Policiais militares da 22ª Companhia Independente (CIPM/Simões Filho) foram acionados e, na região, confirmaram a ocorrência. A área é conhecida como região de “desova”, o que pode indicar que os bandidos sequestraram as mulheres e executaram na região. As identidades delas não foram reveladas pela Polícia Militar.