Mensagens revelam que ex-mulher de Bolsonaro tentou interferir em nomeação a pedido de lobista

Mensagens de Whatsapp obtidas pela CPI da Covid indicam que a ex-mulher do presidente Jair Bolsonaro Ana Cristina Valle acionou o Palácio do Planalto para influenciar em nomeações para órgãos públicos, revela reportagem do jornal O Globo. Ana Cristina é mãe de Jair Renan Bolsonaro, conhecido como o filho “04” do presidente.

Uma das intervenções teria ocorrido a pedido do lobista Marconny Faria, ligado à Precisa Medicamentos. Ele prestaria depoimento à CPI nesta quinta-feira, 2, mas não compareceu. Senadores da comissão defendem sua prisão preventiva.

Marconny pediu ajuda de Ana Cristina para que o defensor público Leonardo Cardoso fosse escolhido como chefe da Defensoria Pública da União. As conversas começaram em agosto de 2020, de acordo com o jornal

Cardoso procurou Marconny pedindo apoio de Jorge Oliveira, principal consultor jurídico de Jair Bolsonaro na época.

Após receber o pedido de Cardoso, Marconny procurou Ana Cristina e enviou uma mensagem com um texto de apoio à indicação do defensor.

“Vou mandar um zap com a mensagem e (sic) mais pessoal”, respondeu Ana Cristina.

No dia seguinte, a ex-mulher do presidente enviou a Marconny o texto que teria enviado a Jorge Oliveira: “Bom dia meu amigo, venho lhe pedir um apoio ao candidato Dr Leonardo Cardoso de Magalhães para assumir o cargo de Defensor Público-Geral Federal da Defensoria Pública da União. É um candidato alinhado com os nossos valores, técnico e apoiador do Jair sei que os outros dois candidatos são de esquerda se puder fazer isso por mim serei muito grata um abraço”.

Pouco tempo depois, Ana Cristina avisou ao lobista que outro candidato ao cargo de DPU havia obtido o apoio de um aliado político do presidente Bolsonaro: “Eu não entendo mesmo, mas fizemos nossa parte”.

A Folha revelou na quarta-feira, 02, que Marconny ajudou Jair Renan, filho de Bolsonaro e de Ana Cristina, a fundar sua empresa no ano passado.

Em agosto, O Globo revelou que Ana Cristina também teria recorrido ao Planalto para emplacar uma nomeação em um órgão público vinculado ao Ministério da Saúde. Na ocasião, a ex-mulher do presidente disse que enviou o caso a “Jorge” e que teria colocado o pedido “na conta do Renan”