Feira: prefeitura cobra na Justiça devolução de verbas pagas a empresa de vereador

Fonte: BNews

O vereador de Feira de Santana, Josse Paulo (PSC), conhecido popularmente como Paulão do Caldeirão, é acusado pela prefeitura daquela cidade de supostamente ter recebido verbas publicitárias municipais, no valor de quase R$ 100 mil, quando já havia efetivado registro de candidatura.

Segundo o Procurador Geral do Município, Carlos Alberto Moura Pinho, Paulo pode sofrer punições por crime eleitoral.

Em entrevista ao portal Conecta News, ele afirmou que a prefeitura não tinha conhecimento de que a empresa da qual o vereador é sócio e que recebia as verbas pertence ao político. “Não é no nome da pessoa física do senhor Josse Paulo, o contrato é no nome de uma empresa, que se verificou que ele era sócio, portanto a contratação não poderia ser feita”.

Ele relatou que já existe um processo correndo na Justiça no qual “o município protocolou o ressarcimento daquilo que o vereador recebeu anteriormente, ele contratou com o município, o que seria um impedimento legal. Essa contratação implica no ilícito eleitoral que cabe ao Ministério Público cuidar, o município buscou aquilo que é da sua obrigação, que é zelar pela legalidade”.

Segundo o procurador, além de ter que devolver todo o valor recebido indevidamente, Paulão do Caldeirão também poderá perder o mandato. “Ele tem que devolver tudo no momento que estava impedido, então a partir do momento que ele registrou a candidatura ele não poderia contratar com o município. O crime eleitoral existe, mas essa percepção é da competência do Ministério Público da Bahia (MP-BA), mas, uma conduta errada detém a possibilidade de perder o mandato”.

Nos bastidores, especula-se que esse enfrentamento da prefeitura de Feira seria uma retaliação ao vereador, após ele ter acusado o prefeito Colbert Martins (MDB) de ter contratado uma mulher para tentar forjar uma acusação de estupro contra ele.

Na última quarta-feira (6), em um discurso inflamado na Câmara de vereadores da cidade, o edil afirmou ter áudios que comprovam a suposta negociação de Colbert com uma “senhora” e o chamou de “bandido criminoso”.

Segundo Paulão, o acordo seria para que a mulher o seduzisse e o arranhasse para poder lhe acusar falsamente de violência sexual. Ainda no discurso ele confirmou que iria entrar com uma denúncia no Ministério Público e na Polícia Federal contra o prefeito feirense.

No mesmo dia, ele registrou queixa na polícia contra dois servidores nomeados na Prefeitura de Feira de Santana. Eles também estariam envolvidos na suposta armação de escândalo sexual.