Maria Bethânia é eleita nova imortal da Academia de Letras da Bahia

A cantora Maria Bethânia é a mais nova imortal da Academia de Letras da Bahia (ALB). Ela foi eleita durante sessão realizada na segunda-feira (11).

Aos 75 anos, a baiana ocupará a Cadeira 18, antes ocupada elo historiador e professor Waldir Freitas Oliveira (1929-2021). Desse modo, Bethânia será a 5ª titular da cadeira que tem como patrono o advogado Zacarias de Góes e Vasconcelos.

A baiana não possui produção literária de destaque, mas foi eleita pela Academia com a justificativa de ser “uma defensora das letras” e de “divulgar em seus espetáculos as obras de nomes como Fernando Pessoa, Clarice Lispector, Sophia de Mello Breyner Andresen, Guimarães Rosa entre outros”.

A Academia de Letras da Bahia ainda destacou que Bethânia “escreveu e divulgou textos de sua própria autoria, tendo pontuais incursões na composição”. Nos registros literários, Bethânia aparece como autora de poucas obras, entre elas, Omara & Bethânia – Cuba & Bahia, livro que acompanhou o DVD de mesmo nome, que registrou o encontro da baiana com a cantora cubana Omara Portuondo.

Entre as poucas composições de Bethânia estão canções como Trampolim, Luz da Noite, Pássaro Proibido e Caras e Bocas, todas em parceria com o irmão Caetano Veloso. Além de Carta de Amor, com Paulo César Pinheiro e outras duas composições com Rosinha de Valença, Cana Caiana e Reino Antigo.

Natural de Santo Amaro da Purificação, Maria Bethânia Teles Veloso tem tem mais de 55 anos de carreira na música. Com informações do portal G1.