Velório de Marília Mendonça e tio da cantora reúne familiares, amigos e fãs; expectativa é de 100 mil pessoas

Fonte: Aratu On

Familiares e amigos próximos da cantora Marília Mendonça e do tio dela, o assessor Abiceli Silveira Dias Filho, chegaram ao ginásio Goiânia Arena para o velório dos dois. Entre os artistas presentes estão o ex-namorado e pai do filho dela, Murilo Huff, Maiara e Maraísa, Henrique e Juliano, Jorge (da dupla com Matheus), Mateus (que faz parceria com Kauan), Naiara Azevedo e Luísa Sonza, que aparece inconsolável, chorando bastante ao lado dos presentes. Eles ficarão em espaço restrito ao núcleo familiar.

A avó da cantora chegou amparada por dois seguranças para se despedir da neta. Dona Ruth, mãe de Marília, não saía de perto do caixão. O ex, Murilo Huff, chegou a segurar a mão da cantora e Maiara “conversava” com o corpo que estava sendo velado.

LEIA MAIS: Murilo Huff, ex de Marília Mendonça e pai de Léo, fala pela primeira vez sobre a morte da cantora; confira

O público teve acesso ao local às 13h40, formando uma fila gigantesca para entrar na arena. Eles ficarão em área separada e devem apenas passar junto aos caixões para se despedirem e deixar a área em seguida, evitando aglomerações. A organização resolveu deslocar o caixão da artista para mais próximo da grade, por onde passa o público, dando mais acesso nessa hora de despedida.

Segundo o governador de Goiás, Ronaldo Caiado, 100 mil pessoas devem comparecer ao velório, até às 16h30 deste sábado.

LEIA MAIS: Marília, Gabriel Diniz, Mamonas: relembre outros famosos que morreram em tragédias aéreas

Marília e Abiceli estavam com mais três ocupantes no avião KingAir C90A que caiu ontem à tarde, em Piedade de Caratinga, em Minas Gerais. Entre as vítimas estavam o baiano Henrique Ribeiro “Bahia”, de 32 anos. Ele deixa um filho de oito anos.

Eles seguiam de Goiânia (GO) a Caratinga (MG), onde ela faria um show na noite de ontem. Segundo a Centro Energético de Minas Gerais (Cemig), a aeronave atingiu um cabo de uma torre de distribuição antes de cair, em local inspecionado hoje pela Cenipa. O Corpo de Bombeiros segue atuando no local para remoção dos pertences dos ocupantes – hoje, o violão da cantora foi resgatado do veículo.

ACIDENTE

O avião de pequeno porte que levava a cantora Marília Mendonça e outras quatro pessoas atingiu um cabo de uma torre de distribuição da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), na Serra da Caratinga, em Minas Gerais, antes de cair e vitimar a tripulação. A informação foi divulgada pela empresa, por meio de nota, na noite desta sexta-feira (5/11).

A Aeronáutica apura diversas hipóteses para o acidente aéreo. O avião, um bimotor King Air da Beech Aircraft, fabricado em 1984, decolou de Goiânia e caiu em uma cachoeira a cerca de dois quilômetros da pista onde faria o pouso, segundo informou a Polícia Militar de Minas Gerais.

Entre as vítimas, além de Marília, a queda do avião também vitimou o produtor dela, o baiano Henrique Bahia, o tio e assessor da artista, Abicieli Silveira, o piloto e co-piloto, Geraldo Martins de Medeiros e Tarciso Pessoa Viana, respectivamente. A aeronave tinha capacidade para 4,7 mil quilos e podia levar até seis passageiros.

IRREGULARIDADES

Segundo o ‘Notícias da TV’, do Uol, que teve acesso a um documento do Ministério Público Federal (MPF), o avião bimotor era alvo de denúncias na Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). “A empresa acumula irregularidades que colocam em risco tripulantes e passageiros”, diz o relatório.

No documento foram descritos os riscos do para-brisa da aeronave com prefixo PT-ONJ: “O vidro fica embaçado, com prejuízo visual em pousos e decolagens, fato conhecido pela empresa, porém ignorado”. No entanto, esse detalhe ainda não foi atribuído ao acidente.

O MPF também pontuou que, segundo fontes do órgão, a empresa proprietária do bimotor, PEC Táxi Aéreo, teria utilizado de “meios ilícitos de burlar a ocorrência de auditorias e vistorias da Anac”. No documento ainda consta algo sobre o treinamento para voos, “lançando mão do código da Anac, de outro piloto com hora voo liberada”. Ou seja, menos tempo de experiência para a prática dos profissionais atuantes.

A PEC Táxi Aéreo também acumula três processos no estado de Goiás, conforme pesquisa pública feita no site da Anac. Porém, o sistema da Agência afirma que a aeronave encontra-se em situação regular e que conta com a autorização para realizar táxi aéreo.

TRAGÉDIA

Inicialmente, a assessoria de Marília divulgou que a cantora tinha sido resgatada e estava bem. Pouco depois, os bombeiros avisaram que ninguém havia sido resgatado ainda. Em seguida, as mortes foram divulgadas pelo Corpo de Bombeiros de Minas Gerais.

CARREIRA

Marília nasceu em 22 de julho de 1995 na cidade de Cristianópolis, Goiânia, e iniciou sua carreira ainda muito cedo, aos 12 anos, cantando na igreja. Aos 15, ela já escrevia canções para outros artistas, e é dona de sucessos como “Calma”, da dupla Jorge e Matheus. Por não haver muitas mulheres no mercado da música sertaneja brasileira, e por ser considerada por alguns como “fora do padrão”, Marília demorou alguns anos para sair apenas das composições e subir aos palcos. Quando isso aconteceu, a artista ganhou o Brasil com o hit “Infiel” e ficou conhecida como “rainha da sofrência”.

Em 2017, lançou o DVD “Realidade”, “Todos os Cantos”, em 2019, mesmo ano em que foi a grande atração do Galinho, do Grupo Aratu, festa que abre os festejos juninos na Bahia. Na ocasião, ela homenageou o amigo Gabrieol Diniz, também morto em um acidente de avião, em Sergipe, poucos dias antes do evento.

Seu último trabalho foi o “Nosso Amor Envelheceu”, lançado neste ano.